Mais de 30 sugestões e recomendações para você elevar, sem maiores gastos o nível de segurança do seu condomínio:

  1. As normas de segurança a serem adotadas devem ser decididas em assembléia de condôminos, com ampla difusão para todos os moradores do prédio;
  2. O acesso de visitantes sempre que possível, deverá ser restrito a um horário pré-fixado e será precedido das cautelas disponíveis;
  3. O pessoal da zeladoria e principalmente aqueles que desempenham funções na portaria do prédio, devem ser alertados para os diferentes expedientes usados pelos delinqüentes e devem estar capacitados para tomar providências urgentes quando necessário;
  4. As entradas do imóvel – social, de serviço e garagem – devem ser suficientemente iluminadas, evitando-se o uso de obras de arte, de decoração e de jardinagem que obstruam a ampla visão do local à distância;
  5. Os acessos aos apartamentos igualmente devem ser dotados de boa iluminação, controlada do interior da residência. As portas devem ser sólidas e guarnecidas de postigos, “olhos mágicos”, ou outros dispositivos que permitam a observação do “hall”;
  6. O interfone é de grande valia para que, em caso de emergência, o morador comunique a presença de suspeitos ou de indivíduos indesejáveis em seu “hall” de entrada;
  7. Havendo outros prédios contíguos ou próximos, por consenso dos seus moradores, poderá ser instalada uma ligação pelo interfone de suas portarias e ou zeladoria, ou mesmo de um simples alarme sonoro que funcionará como pedido de auxílio nos momentos de perigo;
  8. O mesmo alarme sonoro, acústico e ou luminoso poderá ser instalado em casa vizinha, estabelecimento comercial ou simplesmente em local externo, à vista dos moradores das imediações, com divulgação da instalação desse recurso;
  9. A seleção de pessoal doméstico e do condomínio deve ser rigorosa, com pesquisa da vida passada dos candidatos e criteriosa verificação das fontes de referência. De preferência deve ser mantida a máxima discrição quanto aos valores guardados na casa, existência de cofres, etc;
  10. As chaves que forem confiadas a serviçais, não devem abranger todas as portas do apartamento, permitindo-se o isolamento de algumas dependências privadas. Os empregados podem ser atacados e forçados a abrir as portas de que possua as chaves, surpreendendo os demais moradores;
  11. A entrega de encomendas, flores, correspondência, etc., que não tenham sido solicitadas ou que não estejam sendo esperadas deve ser recusadas, ainda que o portador se apresente na companhia de empregados do condomínio;
  12. Quando estiver aguardando entrega a domicílio, instrua a portaria para receber as encomendas, evitando a presença de estranhos em seu apartamento. Quando recepcionar pessoas que não conheça, faça-o nas áreas de uso comum do edifício, à vista dos funcionários da portaria;
  13. Ao chegar e ao sair, esteja alerta para a presença de estranhos nas imediações de seu prédio. Qualquer suspeita deverá ser comunicada imediatamente à Polícia, que saberá analisar a informação e tomar as providências cabíveis;
  14. Se, nada obstante, for surpreendido por assaltantes, procure manter a calma. Não encare seus atacantes diretamente e nem discuta com eles. Havendo oportunidade, diga que não guarda valores em casa, por exigência do seguro, e que está aguardando visitas;
  15. Procure ter à mão a localização e os telefones da Delegacia de Polícia de seu bairro; Em caso de dúvida ligue para 190 e peça ajuda;
  16. Cadastrar todos os condôminos com dados pessoais, dos veículos e até de parentes próximos, para uso em caso de emergência;
  17. Acompanhar o andamento de todos os trabalhos realizados no edifício. Em caso de obras no condomínio, contratar uma empreiteira, identificando os funcionários que serão alocados, antes do começo da obra. Exigir o uso de crachá com foto e, antes da obra, orientar porteiros e zelador a só deixar entrar os funcionários que foram identificados previamente pela empreiteira;
  18. Realizar a reciclagem e treinamento periódico de seus funcionários com foco na segurança do condomínio;
  19. Dar o mesmo treinamento de segurança aos funcionários que possam vir a substituir, mesmo que temporariamente, o porteiro. Assaltantes já têm explorado estas ”brechas”: Entrar em momento em que percebem funcionários que não são os porteiros na guarita.
  20. Sugere-se a instalação, na entrada do condomínio, de caixa ou abertura para encomendas, evitando a entrada do entregador;
  21. Deixar o aparelho de gravação de fitas do circuito fechado de TV em uma sala trancada, da qual os funcionários não tenham a chave. Já ocorreram vários assaltos em que os ladrões fizeram o zelador ou o porteiro entregar a fita de gravação.
  22. Sempre atualizar procedimentos de segurança, porque métodos criminosos mudam, se adéquam às medidas de segurança dos condomínios. Portanto, mesmo instalado um sistema de segurança, com equipamentos, procedimentos e infra-estrutura, o condomínio não deve nunca se acomodar. A revisão desses tópicos precisa ser permanente;
  23. Nos horários de limpeza e recolhimento de lixo, as entradas do edifício devem manter-se fechadas;
  24. Não aceitar guardar chaves dos apartamentos e dos automóveis dos moradores, nem permitir que outros funcionários o façam.
  25. Não comentar sobre a vida pessoal dos condôminos, como horários em que podem ser encontrados e outras informações;
  26. Instalar uma linha telefônica na portaria para que se possa acionar rapidamente a polícia ou os bombeiros em caso de emergência, sem depender do zelador. Manter à vista os telefones da delegacia mais próxima e do Corpo de Bombeiros. Uma solução alternativa vem sendo implantada por condomínios: a instalação de um sistema de comunicação (tipo botão de pânico silencioso) entre vários prédios de uma mesma rua, de modo que quando houver um problema em um deles, os outros são acionados;
  27. Na entrada ou saída de pessoas do condomínio, somente abrir o portão após verificar se não há suspeitos próximos;
  28. Ao receber prestadores de serviços, é necessário identificá-los, anotar os dados de seus documentos, avisar o condômino e só permitir acesso às dependências mediante autorização do morador e devidamente acompanhado por um funcionário. Se for prestador de serviço para o condomínio, só abrir a porta depois de autorizado pelo zelador. Em caso de obras, só permitir o acesso de funcionários listados pela empreiteira, portando crachá com foto. Em caso de dúvida, chamar o zelador;
  29. No caso de entrega de encomendas, avisar o condômino e solicitar sua presença na portaria. Na ausência do condômino, receber e guardar para, posteriormente, ser retirado por um morador ou entregue por um funcionário. Jamais permita que o entregador leve pessoalmente a encomenda;
  30. Antes de abrir o portão da garagem, identificar o motorista e observar se não há risco de entrar alguém junto;
  31. Colocar adesivo de identificação nos veículos facilita a verificação pelo porteiro para que abra a garagem;
  32. Elogiar as ações dos funcionários que visam a garantir a segurança de todos os condôminos, mesmo quando representam algum transtorno para si ou para suas visitas;
  33. Ao estacionar seu veículo na garagem, mantê-lo trancado, sem pacotes e objetos à vista e com o alarme ligado;
  34. A guarita deve ser recuada do portão, com grades altas ao redor do prédio, e o portão da garagem controlado pela portaria;
  35. Instalação de cercas elétricas e proteção perimetral, que funciona com cercas que disparam alarmes. Interligada a um sistema com computador, pode denunciar imediatamente o ponto de invasão;
  36. Na hora de adquirir equipamento eletrônico de segurança, é importante visitar a sede da empresa para ver se ela existe mesmo e se dispõe dos equipamentos, já que é investimento relativamente alto. Também é importante verificar a situação comercial e financeira da empresa para evitar calotes. Na parte técnica, pedir a feitura de projetos de segurança a empresas que não vendam equipamentos. Sem interesses comerciais, podem fazer um levantamento das reais necessidades do condomínio;
  37. Estabelecer controle de segurança de entrada e saída de pessoas, quando utilizado o salão de festas.